domingo, 2 de dezembro de 2007

PEQUENA LISTA DE MALANDRÓVSKIS CLÁSSICOS DO VERÃO

Existem os malandros, que são verdadeiros mestres, e os que chamo de “malandróvskis”. Estes últimos, cujo nome serve de homenagem a um célebre goleiro de programa infantil das antigas, não são exatamente ‘malandros’.

O que acontece no verão? Eles se reciclam, claro. E adotam táticas, visuais e até linguagens compatíveis. Preparei uma lista, talvez tardia, talvez óbvia, para melhor informar as incautas.

Afinal, eu sou o Mestre da Cafajestagem, mas não é por isso que vou deixar de dar um toque pras minhas amigas. Afinal, cafajeste que é cafajeste gosta mesmo é de mulher - e quebra o galho delas quando é o caso. Lá vai:

Bombado Tradicional
É a figura mais carimbada de todos os tempos e todos os verões. Todos os anos ele está lá, lépido e gracioso, atrás de toda sorte de enrosco com o mulherio. E as meninas, claro, adoram. Chega a ser uma honra conseguir faturá-lo. Em geral, como todos devem saber, esse tipo de camarada, depois de cinco ou seis verões (ou até menos), arruma uma namorada, ‘muda de vida’ e acaba até dando uma engordadinha.

NeoBombado
No verão anterior, ele era um sujeito relativamente insignificante. Neste, porém, ele se revela. É sua estréia como ‘galã da praia’, e o caboclo não deixa por menos. Passa o rodo geral. Quase sempre, acontece quando o “neobombadinho” faz seus 17/18 anos e começa a ganhar aspectos mais masculinos. Mas há também, claro, os mais velhos que se cuidaram o ano todo para fazer a festa no verão. E dá certo.

BadBoy Anti-Praiano
Ele não usa roupinhas de surfista, nem mesmo passeia muito na praia durante o dia. Faz a linha “anti-praiana”, mas ainda assim está lá, passando o verão. Sempre há umas e outras que se encantam pelo “beatnik litorâneo” e caem na lenga-lenga do camarada.

Carinha do Violão
Outro grande clássico, não é mesmo? O mundo gira, a lusitana roda, e sempre há um “carinha do violão” em toda e qualquer praia do Brasil. Durante o dia ele é quase que ‘mais um na multidão’. Quando começa uma fogueirinha, porém, ele se torna o astro. E quase todas babam pelo cara.

Caipira Cativante
Todo verão - todo! - surge um novo “carinha do interior”, que é ao mesmo tempo bonito e bacana. A mulherada cai de amores, e a rapaziada mais tradicional da praia começa a ter ciúme. Embora pareça meio bobinho e inocente, o tal “caipirinha sensação” faz a festa e fica com todas que consegue.

Integrante da Turma
Esse sujeito tem valores individuais e características próprias, é verdade, mas ele abre mão de tudo isso para ser tão-somente um “integrante da turma”. Não sai de casa sem a companhia da mesma meia-dúzia de marmanjos. As meninas morrem de amores por ele, mas odeiam a turminha chata. Ele, como sói, não abre mão dos amigos. Para ficar com ele, portanto, a mulherada faz o sacrifício de tolerar aquele monte de cara chato. Às vezes vale a pena, às vezes não.

Importante: Alguns malandróvskis, por óbvio, adotam um pouco de cada personalidade. Nesse caso, a atenção deve ser dobrada.

4 comentários:

Anônimo disse...

O carinha do violão é o que há! Que dedilhado!!!! kkkkkkkkkkkkk

Anônimo disse...

Me dá umas dicas de como chegar nas mulhere e ter um bom papo. por favor!!!

normal disse...

aê filhote
não precisa ter bom papo pra faturar na praia basta olhar quem tá te olhando ,pedir uma porção de camarão bem servida e convidar a gata que está te olhando o resto é tagarelice de mulher homem só escuta e mente , lembre-se escutar e mentir que é milionário,funciona com qualquer magrelo.sacô?

Priscilla Estrela disse...

Huuuum o carinha do violão é classico ein haha
adorei..dei muitas risadas aqui..é exatamente assim